7 da tarde e ainda não lavei os dentes

O fim de semana do terror em família (parte II)

No hotel

Já tinha começado a contar-vos o pesadelo do fim-de-semana passado aqui mas acontece que isto é quase como no filme e, quando volto a adormecer, volto a sonhar…

No sábado, depois do almoço, estamos a passear junto ao mar. Maria Rita dá início a uma birra porque quer tirar fotografias e o cartuxo da polaroide chegou ao fim. Maria Inês faz birra porque quer ir brincar para um parque e ali só se vê o mar. Com a cabeça feita em água, decidimos voltar para o apartamento. E eu voltava era para casa!

Depois de jantar, o pai vai para o auditório e nós vamos com ele. “Tão giro ver os cinco assim juntos, de fim de semana”, diz uma senhora muito simpática do hotel e eu penso ainda bem que alguém acha giro! A mesma senhora convence as Marias mais velhas a ficarem no clube das crianças porque vai haver um concerto e promete levá-las ao quarto assim que acabar.

Subo, cansada e a pensar que preferia que elas tivessem vindo comigo. Dou o leite à bebé, ela adormece num instante. Boa! Visto o pijama, lavo os dentes (meio a despachar, confesso) e deito-me depositando todas as minhas esperanças numa noite descansada.

Fecho os olhos. Ela chora. Só passaram 15 minutos, Maria Leonor! Mais de meia hora depois, consigo voltar a deitá-la. Adormeço. Acordo com alguém a bater à porta, era a senhora com as duas mais velhas. Vou lavar-lhes os dentes com um olho aberto e outro fechado, visto-lhes os pijamas e pedem para eu me deitar com elas. Quando me preparo para, finalmente, fechar os olhos começam a contar toda a aventura de terem ido a um concerto! Digo todos os palavrões que conheço – e não alguns improvisados – para dentro e acabo por adormecer na mesma. Nem me lembro se antes, depois ou durante o relato delas…

Três da manhã. Acordo não sei já porquê, vou para o meu quarto. O pai já lá está. A pequenina dorme. Deito-me. Ela chora. Ponho-lhe a chucha e ela começa a querer sentar-se na cama. Pego nela para que não desperte. Desperta. O pai levanta-se e fica com ela. Durmo.

Manhã seguinte. Já não vamos almoçar cá, pois não? Quero ir para casa! E nem são as miúdas a pedir, sou mesmo eu!

Chegamos a casa. Olho para os sacos todos por arrumar no corredor e, subitamente, há um sorriso largo que começa a esboçar-se no meu rosto. “Estamos de rastos, foi um fim de semana de treta e tu ris-te?”, diz ele. Sabes, lembrei-me que amanhã já é segunda!

 

Obrigada ao pessoal do hotel, pela simpatia 🙂

 

9 comentários em “O fim de semana do terror em família (parte II)

  1. Inês

    ahah adorei, embora não tenha piada nenhuma toda a azafama(se é que assim se pode chamar) do fim-de-semana!
    Estou a adorar o blog!!!

    Beijinhos e votos de um fim-de-semana magnifico 😂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *